Universo Vasco

Opinião por Paulo Iorio: Clássico se define por eficiência, algo que faltou ao Vasco

Clássico se define por eficiência, algo que sobrou ao Flamengo, e faltou mais ao Vasco.

Logo no começo do Clássico dos Milhões do último domingo, aos 10 minutos de jogo, a equipe rubro-negra já havia aberto o placar, na cobrança de escanteio de Arrascaeta, Willian Arão tentou dar de letra, a bola bateu na zaga vascaína e voltou para o volante, que prontamente e atento, cruzou na cabeça de Felipe Luís para marcar o primeiro gol do jogo.

Aos cinco do segundo tempo, o Vasco empatou a partida ao recuperar a bola com Juninho na intermediária defensiva e Gabriel Pec partir em velocidade, indo em direção ao gol, marcando em um golaço de fora da área. Aos 44, o uruguaio Arrascaeta acertou um chute de fora da área, que acabou dando números finais ao jogo.

Mas engana-se quem pensa que o jogo foi apenas isso, sem polêmicas ou discussões, como em qualquer clássico. Isso devido a principalmente um lance mais polêmico contra o cruzmaltino. Já no final do jogo, em bola lançada na área por Nenê, o volante rubro-negro João Gomes teria desviado a trajetória com a mão, o que apimentou ainda mais o clássico.

O presidente cruzmaltino Jorge Salgado também não deixou de comentar a polêmica em suas redes sociais, destacando ainda a atuação do time, que, em sua opinião, não merecia perder.

“Não merecíamos perder. E se há dúvidas, tem que chamar o VAR”, disse Salgado.

Como Jorge Salgado comentou, se há dúvidas, há de se chamar o VAR, a ferramenta foi criada justamente para chegar a margem de erro quase zero, e auxiliar em lances como este.

Contudo, após rever o lance algumas vezes, fica constatado que a bola bate na cabeça de João Gomes e não em sua mão, o que explicaria a hesitação do VAR em interferir, já que o árbitro não estava tão longe da jogada.

O influenciador digital vascaíno, Casimiro Miguel, também comentarista esportivo e que transmite alguns jogos do Carioca, e que transmitiu o Clássico dos Milhões, em seu canal na Twitch comentou sobre o possível pênalti:

“A bola bate na cabeça dele e vai pra baixo, a bola não bate na mão do João Gomes em nenhum momento”, destacou.

 

Por Paulo Iorio

Deixe um comentário

%d blogueiros gostam disto: