Universo Vasco

De início complicado a decisivo no New York City, Talles Magno vive nova era nos EUA

Aos 18 anos, morando sozinho em Nova York, Talles Magno precisava não só se adaptar à vida num país diferente, como também se recuperar de uma entorse no joelho.

Vendido pelo Vasco ao New York City FC, o atacante demorou a engrenar no novo clube. Precisou recomeçar, ficar seis semanas parado para cuidar de vez da lesão até voltar aos campos. A paciência deu resultado: no último sábado, fez o gol do título da Conferência Leste, na vitória por 2 a 1 sobre o Philadelphia Union.

100% fisicamente e mais confiante, Talles se prepara para o novo desafio. Neste sábado, o New York City FC enfrenta o Portland Timbers pela MLS Cup, a finalíssima da liga norte-americana.

– Foi difícil, mas eu me recuperei da lesão e pude fazer o gol do título. Está tudo ocorrendo conforme deveria ocorrer. Tive que ficar parado. Cheguei aqui, não tinha força e velocidade para jogar com eles. Nessas seis semanas parado, dei meu máximo na academia. Quando voltei, era outro Talles. Agora, estou deixando a minha marca e trabalhando ao máximo para que possa ter minha vaga na equipe – contou o atacante ao ge.

O início de Talles foi difícil a ponto de o atacante ligar para profissionais do Vasco e pedir ajuda. Ele ainda se recuperava de uma artroscopia no joelho, realizada ainda pelo clube carioca, quando chegou ao New York.

– Naquela ansiedade de mostrar meu futebol, eu acabei piorando. Meu joelho inchava, e eu ligava para os médicos do Vasco, pedia para eles me ajudarem, comprava aparelho de fisioterapia. Eu jogava um jogo, o joelho inchava, eu ficava em casa treinando e fazendo fisioterapia sem ninguém saber o quanto foi difícil. Chegou um tempo que o pessoal do clube descobriu.

– Eles me perguntaram: “Você quer ficar sem jogar?”. Eu falei: “Eu não quero ficar sem jogar. Se vocês não me tirarem de campo, eu vou jogar mesmo machucado. Não quero ficar fora”. Eles entenderam, me proibiram de treinar e passei a recuperar com eles. Fiquei de cinco a seis semanas sem jogar, recuperando o meu joelho. Sou muito grato aos profissionais do New York, porque hoje estou bem – completou.

A venda do jovem jogador auxiliou o Gigante da Colina a fechar o balanço trimestral de 2021 em um cenário menos complicado do que seria o normal.

Deixe um comentário

%d blogueiros gostam disto: