Universo Vasco

Augusto Ariston confirma candidatura à presidência do Vasco e revela motivações

Augusto Ariston anunciou em entrevista ao site Papo Na Colina, sua candidatura à presidência do Vasco, que acontece no final do ano.

Mas além disso, o empresário fez questão de comentar também sobre suas motivações, o que o levou a tentar uma candidatura, também ao portal.

A entrevista foi concedida ao jornalista Fabio Torres.

Ariston primeiramente comentou sobre sua motivação para tentar a eleição. O mesmo se define como um torcedor de meio de semana e fim de semana, sempre acompanhando quando há jogos do clube:

– Sempre que o Vasco joga não saio de frente da TV ou vou ao estádio. E o que vem acontecendo todo fim de semana? Passou de ser momentos de alegria para tristeza por conta do desempenho. Comecei a conversar com vários amigos vascaínos que me estimularam a entrar nesse jogo. Qual é esse jogo? Disputar a eleição. Precisamos de pessoas dedicadas ao clube e que tenham interesse em administrar o clube sem interesse pessoal e somente com interesse clubístico. Clube precisa voltar a ser campeão, honrar com nossas tradições. Deve ser administrado como nossa casa, com carinho, zelo e transparência. O problema do Vasco não é dinheiro, é gestão! Como dizia o velho Brizola, dinheiro não está no cofre, está na cabeça – disse.

Augusto também comentou sobre seus objetivos como presidente do clube, garantindo que o principal é ser campeão.

– Queremos ser campeões, ganhar tudo. Vencer no Remo também. O Vasco da Gama começou como regatas e nem nisso estamos ganhando mais. Todo ano brigamos para não cair! Ninguém escolhe, vive ou se dedica a um time que todo ano briga para não cair.

A ideia de Ariston é montar um time competitivo que possa disputar qualquer campeonato do mundo, além de evitar a venda de jovens promessas do clube precocemente. Manter os atletas crias da base e contratar reforços pontuais, são o que o Vasco precisa, segundo ele.

O candidato comentou sobre São Januário, garantindo que deseja ampliar a capacidade do estádio para cerca de 35 mil lugares.

– Minha ideia para o nosso estádio é ampliar para 35 mil e esse projeto vai começar no primeiro dia que eu pisar no clube como presidente. O arquiteto Felipe Mauad já começou a desenhar e fazer a perspectivas. Como teremos um estádio maior, pretendo incluir os jogadores na participação dessa renda. O campo é nosso, precisamos aumentar a capacidade e, tendo um aumento substancial na renda por mês, podemos compor o salários dos atletas com as rendas dos jogos.

– Quero pegar profissionais bons de cada área, um bom diretor de marketing, porque a torcida faz acontecer. Montar um ótimo departamento médico e profissionalizar as coisas. Quero trabalhar com metas a serem alcançadas e bonificação. Quero colocar tudo na internet, cada real usado será explicado. O Vasco só não quebrou até agora porque é muito grande – completou, comentando sobre sua gestão no futuro Vasco.

Sobre bonificações as jogadores, Ariston afirmou que a ideia é uma divisão entre clube e jogadores.

– Esses prêmios milionários que os clubes ganham por serem campeões, eu vou dividir com os jogadores. Metade fica para o clube e metade divide entre os atletas. Juntando o salário que eles já ganham, renda do estádio e dividindo as premiações dos títulos, ninguém vai estar pagando mais do que a gente.

O empresário conclui esclarecendo que não pretende usar nenhum dinheiro de dentro do Vasco, e que tem tempo o suficiente para se dedicar exclusivamente ao clube durante os três anos do mandato.

– Não preciso nem de 1 real do Vasco. Sou empresário, tenho a vida estabilizada, estou tranquilo de vida. Minha mulher trabalha e tem uma vida profissional tranquila também. Não precisamos do Vasco da Gama para viver. Dinheiro do Vasco é sagrado – conclui.

Deixe um comentário

%d blogueiros gostam disto: